Conheça mais sobre iniciação científica



Na última semana aconteceram as apresentações dos projetos dos bolsistas de Iniciação Científica no Centro Universitário Integrado. No total, 10 estudantes apresentaram seus trabalhos e entre esses, alunas do curso de Medicina. Dessa forma, resolvemos entrevistar uma delas, Daniela Favero Motter, que desenvolveu o projeto “A Utilização do Design Thinking para Aprimorar o Programa de Pacientes Simulados no Curso de Medicina” com auxílio de Paola Isabela Jacobowski, orientadas pela Dra. Fernanda Forli Marangoni.

Antes de tudo, é importante lembrar que o integrado conta com dois projetos, o PIBIC (Programa Bolsas de Iniciação Científica do Centro Universitário Integrado) no qual os alunos recebem uma bolsa enquanto desenvolvem suas pesquisas e o PIC (Programa de Iniciação Científica do Centro Universitário Integrado) no qual os alunos são voluntários.

De início, perguntamos a Daniela como foi o processo de seleção e ela explicou que no ano em que se inscreveu (2019) o edital considerava apenas a média geral do curso, ou seja a média aritmética das notas de cada disciplina. Já no ano de 2020, o edital passou a considerar também os certificados de projetos de extensão, ensino, pesquisa ou responsabilidade social dos acadêmicos, exigindo Lattes atualizado e contabilizando um ponto por projeto.

Quanto ao período de duração, a entrevistada nos contou que em edital o projeto tinha a duração de 9 meses, assim como a vigência da bolsa ofertada, porém, por conta da pandemia, o prazo de entrega foi estendido para dezembro de 2020.

Ao questionarmos sobre possíveis coisas que a estudante tenha abdicado por conta do estudo, ela nos disse: “Foi algo tranquilo e eu acredito que tenha sido mais leve pelo tema e pelo fato da orientadora já ter iniciado o projeto. Não precisei abdicar de muito tempo… Claro que precisou de bastante embasamento teórico sobre o assunto, mas não me tomou tanto tempo quanto achei que iria.” Além disso, ela acrescentou que o assunto era bem familiar, pois envolvia a experiência vivida com os pacientes simulados. E como dificuldade apontou o desenvolvimento da pesquisa em si, como proceder e elaborar a estrutura de um trabalho de iniciação científica.

Por fim, falou sobre a contribuição da pesquisa para a sua construção profissional. "Trabalhar com pessoas sempre é construtivo, ainda mais quando acrescentam no desenvolvimento pessoal e profissional, como a Fernanda e Paola. O assunto que estamos trabalhando também é algo que agrega muito, por ser novo, interessante e ainda pouco usado nos cursos de medicina.”, afirmou.

Além das contribuições da Daniela Favero Motter, gostaríamos de acrescentar que as temáticas são escolhidas pelos orientadores, os quais submetem seus projetos anualmente. Para inscrever-se, fique atento ao edital que é liberado todos os anos, o qual contém uma ficha de inscrição anexa e todas as orientações, incluindo os critérios de seleção.


84 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo