SEQUELAS DA COVID-19



Como sabemos, a covid-19 apresenta diversas complicações causadas em seu período de manifestação clínica, sendo as mais comuns dispneia, febre, mialgia, artralgia, odinofagia, entre outras tantas que poderiam ser citadas. Porém, há casos em que os pós-contaminados pelo coronavírus, já em seu período de convalescença, desenvolvem sequelas que podem permanecer por meses, ou até sem “prazo de validade” para que haja uma reversão do caso.

Apesar da covid-19 se mostrar como uma incógnita a respeito de quais complicações futuras pode desenvolver em indivíduos infectados, pesquisas com diferentes vertentes documentaram sequelas que já se fizeram presentes nos casos clínicos atuais. No período de doença pelo coronavírus, uma intensa resposta inflamatória é desencadeada, atingindo primeiramente o trato respiratório. Entretanto, as sequelas da infecção também foram registradas no sistema cardiovascular, sistema nervoso central e periférico, além de serem vistas alterações no âmbito psiquiátrico e psicológico, sendo eles descritos a seguir:


  • Sequelas no sistema respiratório: A principal sequela é o desenvolvimento de fibrose pulmonar, sendo que durante a fase aguda da infecção o dano pulmonar causa edema, liberação alveolar das células epiteliais e deposição de material hialino nas membranas alveolares. Na fase seguinte da infecção (entre a segunda e quinta semana), há sinais de fibrose, e em seu estágio final (entre a sexta e oitava semana) o tecido pulmonar torna-se fibrótico. Vale ressaltar que a cicatriz formada pela fibrose pode preencher o espaço lesionado, mas não contém a mesma elasticidade e características do tecido original. Com isso, muitos pacientes relatam no período pós-covid cansaço e falta de ar, devido a redução da capacidade pulmonar, não conseguindo realizar atividades comumente feitas em seu dia a dia.



  • Sequelas no sistema cardiovascular: Pacientes com covid-19, principalmente os que apresentaram a forma grave, obtiveram lesões miocárdicas significativas, como miocardite com redução da função sistólica e arritmias, sendo secundárias a danos pulmonares graves. Como se sabe pouco sobre os mecanismos responsáveis por tais sequelas, sugere-se que a enzima conversora de angiotensina 2 (ECA2) permitiria a entrada do vírus na célula, o que facilitaria a replicação viral. As lesões miocárdicas podem se relacionar com dano direto aos cardiomiócitos, inflamação sistêmica, fibrose intersticial miocárdica e hipóxia. Um estudo recente com resultados preocupantes realizado na Alemanha apontou que, entre 100 pacientes recuperados, 78% apresentaram algum tipo de anomalia no coração mais de dois meses após a alta, e pelo fato de o sars-cov-2 aumentar o risco de coagulação do sangue, a ocorrência de acidentes vasculares cerebrais (AVC) e outros distúrbios de origem vascular, também se mostrou decorrentes em pacientes graves.


  • Sequelas neuropsiquiátricas: A resposta inflamatória decorrente da infecção por coronavírus pode causar declínio cognitivo de longo prazo, como deficiência de memória, atenção, velocidade de processamento e funcionamento, juntamente com perda neuronal difusa. Outro fator relevante é que o processo inflamatório sistêmico em pessoas de meia idade podem levar a um declínio cognitivo décadas mais tarde. Também há relatos de que o sars-cov-2 pode atingir os sistemas nervosos central e periférico, com disseminação hematogênica ou disseminação neural através do trato respiratório, além de serem observados alterações como encefalopatia aguda, alterações de humor, psicose, disfunção neuromuscular ou processos desmielinizantes. Com isso, o acompanhamento neuropsiquiátrico de indivíduos infectados com a covid-19 é de extrema importância para a compreensão do impacto de longo prazo das manifestações neurais de tal enfermidade.




  • Sequelas psicológicas: A pandemia do coronavírus gerou questões psicológicas de relevância, devido ao isolamento social que foi tomado como medida de prevenção ao vírus. É importante trazer à tona a necessidade de implementar estratégias de saúde pública para abordar a realidade de grupos de diversas faixas etárias que tem apresentado repercussões negativas, no âmbito psicológico, devido ao novo estilo de vida que nos foi apresentado.


GLOSSÁRIO:

  • Dispneia: Falta de ar.

  • Mialgia: Dor muscular

  • Artralgia: dor associada às articulações corporais.

  • Odinofagia: deglutição dolorosa.

  • Período de convalescença: Período de recuperação em que, após uma doença ou enfermidade, há um processo gradual de restabelecimento de saúde.

  • Fibrose pulmonar: substituição do tecido pulmonar normal por um tecido cicatricial.

  • Miocardite: inflamação do músculo cardíaco.

  • Encefalopatia aguda: dano ou mal funcionamento do encéfalo.



REFERÊNCIAS:


https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_docman&view=download&alias=2046-alerta-epidemiologico-complicacoes-e-sequelas-da-covid-19&category_slug=covid-19-materiais-de-comunicacao-1&Itemid=965


https://www.bbc.com/portuguese/geral-53654692


58 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo